DJ curitibano emplaca hits na gravadora holandesa ‘Spinnin Records’ e lança novo set

Meu interesse pela música eletrônica despertou na década de 1990, quando eu escutava diversas rádios que estavam começando e tocavam muito dance music“, sintetiza o produtor musical, remixer e DJ, Marcio Ribeiro. Quase três décadas depois, e oficialmente desde 1997 nas pickups, ele foi destaque na lista de deep house, da gigante gravadora holandesa Spinnin’ Records , comprada pelo grupo Warner Music, em 2017, pela bagatela de US$ 100 milhões. A Spinnin’ Records hospeda quinze sub-gravadoras, incluindo a Doorn Records, Heldeep Records e Musical Freedom, despontando artistas como do Tiësto, Sander van Doorn e Oliver Heldens.

Eu queria algo novo. Minhas músicas nas plataformas de streaming aqui no Brasil não tinham tanta visibilidade em relação ao que eu tenho lá fora. E quando a Spinnin Records abriu o Talent Pool para descobrir novos talentos do cenário eu comecei a desenvolver algumas tracks e sets especificamente para o selo. E tive resultados muito bacanas com alguns remixes dos anos 1980 e 1990. Teve uma versão do Queen ficou em em segundo lugar durante uma semana. Eu não esperava, foi uma surpresa“, relata o DJ que contou com exclusividade ao Eu Amo Curitiba que pretende ainda neste ano fazer o primeiro remix musical de uma artista brasileira.

OUÇA COM EXCLUSIVIDADE O NOVO SETLIST

Para o DJ, Curitiba já foi uma capital que ditou tendências na música eletrônica, principalmente na década de 1990. “Hoje eu vejo um tanto fraca a cena, embora já tenha sido referência até 1998 quando aconteceu o último encontro nacional de DJs“, relembra. Porém, com o destaque do seu trabalho no cenário independente, Marcio Ribeiro acredita que a forma como o brasileiro consome a música eletrônica em relação ao mercado internacional é um dos grandes diferenciais para que sua arte seja apreciada com outros olhos e ouvidos na cena gringa.

Eu to concorrendo sem nenhuma gravadora, completamente de forma independente. Então, ao longo desses sete meses, saber que a minha música está sendo escutada fora do Brasil, com visibilidade é realmente diferente pela forma como os estrangeiros consomem músicas desse segmento. Eles gostam de procurar novas músicas, votam, te indicam. Então, além de ser notado, o campo e o contato de trabalho é muito bacana, eu me sito motivado“, enaltece.

Ribeiro emplacou em 2018 três musicas na lista da Spinnin’ Records ouça abaixo:

Queen – Under Pressure

Who da Funk – Shiny Disco Balls

Giacca & Flores VS Simply Red – Sunrise

Lucas Cabaña

Lucas Cabaña é jornalista e produtor cultural. Radicado em Curitiba há quase dez anos, já atuou em diversos veículos de comunicação na capital. É fundador da Cabaña Comunicação, empresa responsável pela assessoria de imprensa de eventos culturais e artísticos. Apaixonado por música, o cenário cultural curitibano é a verve do seu trabalho e por isso também ama Curitiba. Assim sendo, ninguém melhor para assinar a coluna "Música é o Canal" do Eu Amo Curitiba que compartilha experiências musicais em todos os tons.