Arquitetura Modernista de Curitiba

Anos atrás encontrei o livro do Prof. Salvador Gnoato “Arquitetura do Movimento Moderno em Curitiba” que se tornou uma grande fonte de pesquisa sobre o tema, incentivando a minha constante busca por imagens dessa arquitetura na nossa cidade, que acabaram reunidas num livro.

Aqui nesse meu espaço no Eu Amo Curitiba farei ao longo do tempo algumas postagens sobre o assunto, começando hoje com algumas informações sobre o modernismo e futuramente, pequenos resumos sobre a obra e vida de alguns engenheiros/arquitetos que ajudaram a consolidar o ideário do movimento modernista em Curitiba e marcaram a paisagem urbana da nossa cidade.

Arquitetura moderna é uma designação genérica para o conjunto de movimentos e escolas arquitetônicos que vieram a caracterizar a arquitetura produzida durante grande parte do século XX.

Suas características podem ser encontradas em origens diversas como a Bauhaus, na Alemanha; em Le Corbusier, na França; em Frank Lloyd Wright nos EUA ou nos construtivistas russos.

Uma das principais bandeiras dos modernos é a rejeição dos estilos históricos principalmente pelo que acreditavam ser a sua devoção ao ornamento. Com o título de “Ornamento é Crime” (1908) um ensaio de Adolf Loos critica o que acreditava ser uma arquitetura preocupada com o supérfluo e o superficial. Os modernos viam no ornamento, um elemento típico dos estilos históricos, um inimigo a ser combatido: produzir uma arquitetura sem ornamentos tornou-se uma bandeira para alguns.

Duas máximas se tornaram as grandes representantes do modernismo: menos é mais (Mies Van der Rohe) e a forma segue a função (Louis Sullivan).

Na introdução do meu livro de fotografias sobre a arquitetura modernista em Curitiba o Prof. Key Imaguire Jr relata resumidamente o que segue:

“Na Arquitetura produzida em Curitiba, observa-se que entre a primeira manifestação claramente modernista – a casa de Frederico Kirchgassner – e sua consolidação definitiva – o início do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Paraná, em 1964 – há uma sucessão de obras apontando a nova direção. Algumas sumamente vistosas – como a construção do Centro Cívico Estadual, o Conjunto da Reitoria, as obras de Vilanova Artigas – todas importantes em diferentes escalas, representando a legítima “vontade de modernidade” contra as forças culturais e sociais de inércia.”

No mosaico de hoje um apanhado geral de casas e prédios modernistas de Curitiba.

Washington Takeuchi

O engenheiro elétrico Takeuchi, sempre se interessou por fotografia. Foram várias câmeras e muitas histórias registradas através do olhar treinado pelas referências colecionadas ao longo da vida. Estudou na Omicron Escola de Fotografia. Mantém como projeto autoral desde 2009 o blog Circulando por Curitiba, onde diaria e ininterruptamente publica suas fotografias, tendo sempre a cidade de Curitiba como o fio condutor. Teve fotos publicadas em livros, jornais, revistas e sites. Realizou em 2015 a exposição individual Circulando pela Arquitetura Modernista de Curitiba na Carmesim Espaço de Arte e Design, que passou também pela UTFPR, Shopping Jardim das Américas, Edifício Anita e Uninter. Material que rendeu o livro de mesmo título. Com sua inseparável câmera vai nos conduzir para todo canto e nos contar histórias da cidade de um jeito muito peculiar. Ah, sorte nossa porque Washington Takeuchi assina a coluna de fotografia do nosso site, chamada "Além do Olhar".