Sou daquelas pessoas que acredita no cinema. E mais ainda no cinema que se acredita arte.

Como disse o Oscar Wilde, é só na arte que é possível fazer nevar no deserto, é só na arte que é possível existirem dragões com asas de ouro e unhas de madrepérolas. É assim que eu vejo o cinema. E o melhor cinema sempre é aquele que aposta na imaginação. Os que acreditam no realismo absoluto acham que o cinema é uma espécie de espelho e que a crítica é a sua grande função. Eu não. Talvez por isso eu goste tanto de Fellini, de Hitchcock, de Spielberg, de Martin Scorsese, de Bunuel, de Almodóvar e outros. Porque eles se permitem a transposição e a invenção. A imagem é uma cartola de mágico e quanto mais mágico, mais delicioso é o filme. Pelo menos pra mim.

Então que me apaixono e me encanto quando vejo um filme como A FORMA DA ÁGUA/THE SHAPE OF WATER, do Guillermo Del Toro. Quatro Oscars! Filme, direção, trilha sonora e direção de arte! É o cinema onde tudo é permitido e tudo está a serviço do próprio cinema. É cinema onde o risco de descambar para o brega e cafona está sempre batendo na porta. Mas como ensinou o grande Walt Disney, faça do impossível o plausível e tudo dará certo. O tempo passa, amadurecemos e depois envelhecemos e vamos perdendo a crença na fantasia.

É como se a realidade fosse a única possibilidade! Mas, como eu envelheço por fora, mas continuo menino por dentro, continuo amando filmes de monstros. Continuo apaixonado quando assisto pela enésima vez OS PÁSSAROS, do Hitchcock, CONTATOS IMEDIATOS DO TERCEIRO GRAU, do Spielberg e A FELICIDADE NÃO SE COMPRA, do Frank Capra. É sempre a primeira vez. É sempre a emoção do encontro com a imaginação e a arte.

E porque existe a arte? Porque a vida não é suficiente. Assim ensinou FERREIRA GULLAR. Então, saia da sua casa e vá se permitir diante da tela de um cinema onde está sendo exibido A FORMA DA ÁGUA. Deixe de lado o ceticismo e a descrença e se apaixone. Caia de amor e o seu espírito ao invés de envelhecer, vai rejuvenescer.

O cinema fantástico é o verdadeiro Horizonte Perdido!