“The Ballad OfBuster Scruggs” é uma aula de cinema dada pelos Irmãos Coen


A vida é dura e não há espaço para as nossas falsas ilusões cinematográficas.

Os Irmãos Coen roteirizaram e dirigiram para a Netflix, alguns contos que acontecem no velho oeste americano, e que levam o título de “The Ballad Of Buster Scruggs”, o nome do primeiro conto, muito bom, mas não o mais legal de todos. Enfim, entre tantos questionamentos, vale pensar, assistindo a essa pequena obra prima, sobre o significado da arte e sua função.

Pode-se dizer, sem pestanejar, que “The Ballad Of Buster Scruggs”é tudo, menos diversão. São contos secos, duros, impiedosos e, se carregam uma ironia fina em sua narrativa, não deixam margem para falsas esperanças ou ilusões. A vida é dura e não há espaço para as nossas falsas ilusões cinematográficas. A catarse aristotélica costuma passar longe dos Irmãos Coen. Então, que passado este primeiro choque cultural, e se o espectador não estiver preocupado em passar o tempo se divertindo com truques, piadas fáceis, tiros, gritos e edição rápida, “The Ballad Of Buster Scruggs” é uma aula de cinema. Um monumento à poesia e à inteligência. Acompanhar, pelo olhar apurado desses dois irmãos geniais, a vida de gente à deriva num país que se inventava, onde a morte era apenas um detalhe a mais na paisagem árida, e onde o tal heroísmo a la John Wayne não tinha nada a ver com a realidade, é viver o cinema cheio de personalidade e pleno de autoridade.

Os Irmãos Coen, como alguns poucos cineastas que ainda restam por aí, ainda exercitam uma arte autoral e que o fazem com beleza, apuro e talento. Vale a pena acompanhar a dolorosa história dos personagens todos de “The Ballad Of Buster Scruggs”, pelos olhos especialíssimos de Joel e Ethan Coen.