A cena independente de quadrinhos locais e o momento da HQ autoral


Na conversa quinzenal dos editores do NA-NU, Lucas Fernandes e Luma Aplevicz trazem um pouco da história, da riqueza e da diversidade da cena independente de quadrinhos.

Nessa edição da coluna NA-NU ama Curitiba, aqui no Eu Amo Curitiba, abrimos a conversa para alguns autores atuantes nos quadrinhos nacionais e internacionais que falam um pouco sobre suas histórias, inspirações, e principalmente, como é publicar quadrinho por conta, editoras independentes ou coletivos. O vídeo apresenta depoimentos de Clayton Junior, extraídos do lançamento da versão nacional de seu livro Selvagem, na Itiban Comics Shop em março de 2018. Também o depoimento de DW Ribatski, também em bate-papo de lançamento na Itiban, de sua HQ Veículo. Além de trechos da conversa com os autores Chico Felix, Amanda Barros e Má Matiazi no evento do NA-NU na Gibiteca de Curitiba, que aconteceu em maio de 2018. Do qual também participaram DW Ribatski e Diego Esteves.

O fanzine, revista “amadora” editorada e publicada de forma independente, tem uma longa história na cultura alternativa e hoje finalmente alcança status de obra de obra de arte. Muitos artistas independentes despertaram o interesse do grande publico, foram publicados por grandes editoras e foram reconhecidos em prêmios e festivais de arte, cultura e comunicação. Na última década inúmeras editoras e selos independentes surgiram. O brasil vive o melhor momento de publicação autoral de quadrinhos de sua história.

Bate-papo que rolou com os autores Diego Esteves, DW Ribatski, Chico Felix, Amanda Barros e Má Matiazi no evento do NA-NU na Gibiteca de Curitiba em maio de 2018 (Foto por Luiz Pacheco)

No NA-NU a gente companha a cena atual de publicações independentes, trazendo sempre lançamentos e resenhas, além de também trazer várias HQs na íntegra pra você ler online no blog em HQ no NA-NU. Lá você vai encontrar HQs de autores como DW Ribatski, Guilherme ‘Ganço’ Dias, Bonnes, Fabio Biondo e Marina Ribatski, além de histórias resgatadas, restauradas e colorizadas da série Sangrando até Morrer, de Eder S. Rodrigues e Allan Ledo, publicada originalmente em fanzine, do final dos anos 90 à 2007. Também, é claro, a citada coluna de Fulvio Pacheco, atual coordenador da Gibiteca de Curitiba, Quadrinhos em Curitiba, onde o quadrinista e pesquisador dividiu com a gente um pouco de sua pesquisa sobre a história dos quadrinhos locais. Trabalho que também pode ser visto em seu livro, A História dos Quadrinhos e da Gibiteca de Curitiba, publicado pela Editora Estronho. Lembrando também que o Fulvio tem a coluna Traços Curitibanos, sobre a cena local, aqui no Eu Amo Curitiba.

Feira de quadrinhos e arte que rolou no NA-NU na Gibiteca (Foto por Luiz Pacheco)

Ainda tá na discussão “Marvel x DC”? Acho melhor dar uma olhada no que a gente publica sobre quadrinhos lá no NA-NU, porque um dos movimentos mais incríveis da história da arte tá acontecendo nos quadrinhos, aqui do seu lado, e você tá perdendo.

Nós queremos que você participe dessa conversa também. Mantenha contato com o NA-NU no FacebookInstagramYoutube e o blog do NA-NU. Vamos conversar sobre arte, unir forças e idéias pra expandir ainda mais esse incrível movimento artístico atual de convergências e liberdades.

Acompanha a gente aqui, vamos falar de arte!

Trilha sonora do vídeo Ruído/MM : http://www.ruidomm.com/