“Diga-me Curitiba, diga-me”. Este poema está na página onze, doze e treze do meu primeiro livro, “Joni Depi me chamou pra ir ao samba”, o poema abre o alfarrábio após o prefácio e vem bem a calhar agora com a minha entrada no “Eu amo Curitiba”.

Foi por causa desse livro que minha paixão pelo vinho começou, pois foi para o seu lançamento que fiz minhas malas e fui para Portugal, lá entre muitas cidades conheci minha querida cidade do Porto e o seu rio Douro que me acolheram de braços abertos.

Fiquei maravilhada com sua poesia e vinho! Minha paixão por estas duas coisas acopladas nasceu. A poesia é o amor da minha vida, ser poetisa é meu lugar mais natural; o vinho uma paixão, sempre gostei de apreciar, mas a partir da minha morada portuguesa aprendi a apreciá-lo ainda mais.

De volta ao Brasil, importei as tertúlias portuguesas com vinho e poesia e também fiz um curso de sommelier.

Na minha coluna, a mistura de cheiros e gostos é poética, as histórias da terra, da mesa, das gentes, das videiras, dos vinhos descansando nas prateleiras, tudo vira poesia escrita em prosa.

Bem-vindos ao “Vinhote de bolso”. Vou gostar de tê-los aqui comigo.

Vamos nos divertir? Eu já estou animada.