Mais intimista, Pitty se reaproxima do público em Curitiba


Após dois anos longe da rotina de turnês, a cantora baiana misturou o rock e apresentações intimistas no show do último sábado (10)

Pitty é realmente um nome inusitado na cena musical brasileira. Uma das primeiras artistas a surfar na onda da internet e do (falecido) MP3, a baiana é hoje um dos poucos nomes do rock nacional que conseguem ter relevância no mainstream, tendo conquistado uma carreira consolidada e um público cativo e muito particular.

Mesmo fora dos palcos e do circuito de turnês há dois anos (desde que teve sua primeira filha, Madalena), o Teatro Positivo lotou sua capacidade na noite do último sábado. Mas se a casa não estava cheia, coube aos presentes agitar a dinâmica apresentação de Pitty e sua banda.

O show

Perto das 21h30, os primeiros acordes de Admirável Chip Novo (2003), de seu primeiro disco, davam o tom da primeira metade da apresentação: barulhenta, pesada e carregada de angústias da juventude, geração que parece entender a mensagem que a cantora pretende passar.

Anacrônico, Setevidas e o hit Na Sua Estante levantaram o público, que durante as primeiras três músicas da apresentação ignorou as poltronas do teatro e os perceptíveis problemas técnicos que o microfone de Pitty enfrentou.

A segunda parte do show, de sua nova turnê ‘Matriz’, abandonou as guitarras elétricas, colocando a banda sentada em bancos no meio do palco, acompanhados de violões. Essa foi a metade intimista prometida por Pitty em sua nova empreitada, que trouxe sucessos do início da carreira da cantora, assim como um cover da banda inglesa Queen, com a canção Love of My Life, e uma versão reduzida de Cantando, de seu projeto paralelo Agridoce.

A terceira e última parte da apresentação trouxe novamente o espírito roqueiro de Pitty e sua boa banda, embalando um sucesso atrás do outro: Semana que vem, Me Adora, Equalize e Pulsos.

Por volta das 23h, Pitty agradeceu o caloroso público curitibano e prometeu que voltará a cidade em breve. Cabe aos fãs aguardar o que a inquieta Pitty trará à capital paranaense na próxima vez.