Histórias Extraordinárias apresenta uma seleção com os melhores filmes recentes produzidos na Argentina, além de outros que deram início ao movimento que ficou conhecido como “nuevo cine”.

 

A mostra Histórias extraordinárias: cinema argentino contemporâneo estreia na próxima semana na CAIXA Cultural, com a apresentação de 24 longas e curta-metragens que trazem a criatividade dos filmes argentinos.

Com curadoria de Natalia Christofoletti Barrenha, pesquisadora de cinema argentino, e Agustín Masaedo, programador do Buenos Aires Festival Internacional de Cinema Independente (BAFICI), a programação apresenta tanto obras premiadas em festivais argentinos e internacionais quanto produções com sólidas passagens pelo circuito comercial.

Apesar disso, e do crescente interesse do público brasileiro pelo cinema argentino, a maioria dos filmes selecionados tiveram escassa ou nenhuma visibilidade no Brasil. Assim, o evento busca ampliar o olhar dos espectadores curitibanos sobre uma das cinematografias mais expressivas, diversas e reconhecidas internacionalmente. A programação conta com uma porção de comédias, com filmes que abordam temas necessários e urgentes sem perder o humor, a capacidade de rir de si mesmo, de questionar com leveza. Em um momento em que tanto no Brasil como na Argentina temos uma situação política complicada, e nossas sociedades se encontram extremamente polarizadas, com uma triste dificuldade para entabular um diálogo, esse tipo de abordagem, a partir da leveza, é extremamente inspirador”, reflete a curadora Natalia Christofoletti Barrenha.

Entre os destaques selecionados, está o documentário As lindas (2016), da estreante Melisa Liebenthal, premiado na seção Bright Future do Festival de Rotterdam. O público também poderá assistir aos vencedores das duas últimas edições do Buenos Aires Festival Internacional de Cinema Independente (BAFICI): A longa noite de Francisco Sanctis (2016), dos também estreantes Andrea Testa e Francisco Márquez; e A vendedora de fósforos (2017), de Alejo Moguillansky, diretor e montador já consagrado, de trajetória prolífica e presença frequente nos principais festivais internacionais.

20 anos do Nuevo Cine Argentino

Neste mês de abril, em que o BAFICI – um dos mais importantes festivais da América Latina, vitrine fundamental para a produção do chamado nuevo cine argentino – chega à sua 20a edição, a mostra também marca o vigésimo aniversário de estreia e premiação do filme Pizza, cerveja, baseado (1997) no Festival Internacional de Cine de Mar del Plata, considerado o ponto de partida do nuevo cine. O filme é de uma força surpreendente, de que algo nasceu mesmo, e o que veio antes eram lampejos de algo em gestação, e o que veio depois está influenciado por ele de alguma forma”, avalia Natalia.

Assim, parte da mostra celebra o momento fundador da pungente produção cinematográfica do país vizinho. Duas décadas depois, o público brasileiro poderá se reencontrar com a ópera prima de Israel Adrián Caetano e Bruno Stagnaro, mergulhar na genealogia do nuevo cine com os curtas-metragens seminais de Histórias breves I (1995) e descobrir, na selvagem loucura do documentário Bonanza (2001), de Ulises Rosell, que as rupturas desse “movimento” transcenderam o cinema de ficção.

A programação se completa com a exibição especial de um dos filmes mais aguardados dos últimos anos: o elogiado Zama (2017), de Lucrecia Martel, inspirado na novela homônima de Antonio Di Benedetto, além de um documentário que acompanha a diretora em seu processo de criação durante as filmagens: Anos-luz (2017), de Manuel Abramovich.

Os dez filmes da mostra principal terminaram formando um sistema perfeitamente homogêneo, com sua própria lógica interna e relações complementares ou contrastantes: um modelo na escala do cinema argentino atual; sua liberdade, suas buscas e suas contradições. Descobrir essas conexões secretas, reconstruir a imagem completa a partir de seus fragmentos, é uma razão mais que suficiente para fazer um esforço e não perder nenhum desses filmes”, garante o curador Agustín Masaedo.

Presença de cineastas e especialistas
A diretora María Álvarez estará presente na sessão de abertura conversando sobre seu cativante documentário As cinéphilas (2017), que teve estreia mundial em Locarno e ganhou prêmios nos diversos festivais pelos quais passou, com destaque para o Prêmio do Público no BAFICI e no Festival de Ourense. Já a realizadora Ana Katz será uma das grandes protagonistas da mostra, que exibe seus quatro longas-metragens – incluindo Minha amiga do parque (2015), vencedor do prêmio de Melhor Roteiro no Festival de Sundance. Ela vai conversar com o público curitibano sobre seu trabalho como diretora, roteirista, atriz e dramaturga.

Além das cineastas, a mostra vai receber um dos mais influentes pensadores da cultura argentina atual: o escritor, professor e pesquisador Gonzalo Aguilar, que ministrará uma palestra sobre cinema argentino contemporâneo no dia 21 de abril (sábado), às 17h. Também será realizada uma sessão comentada do filme O futuro perfeito com o cineasta e produtor Rafael Urban, no dia 20 de abril (sexta-feira), às 19h.

A sessão de abertura da mostra Histórias extraordinárias e a palestra de Gonzalo Aguilar têm entrada franca, com distribuição de ingressos uma hora antes do início e emissão de certificado para a palestra.

Perfil dos convidados da Mostra
Ana Katz é graduada em Direção Cinematográfica pela Universidad del Cine, onde também foi docente. Estudou atuação em várias escolas e com diversos profissionais. Dirigiu os curtas-metragens Merengue (1995), Pantera (1998) Ojalá corriera viento (1999), Despedida (2003) e El fotógrafo (2005), e os longas-metragens presentes nesta edição de Histórias extraordinárias. Participou de inúmeros projetos teatrais como dramaturga, diretora e atriz, entre eles Pangea e Lucro cesante. Também atuou em diversos filmes. Atualmente, finaliza seu quinto longa-metragem, Sueño Florianópolis, contemplado pelo edital de coprodução INCAA-ANCINE, com Mercedes Morán, Gustavo Garzón, Andrea Beltrão e Marco Ricca no elenco.

Gonzalo Aguilar é professor de Literatura Brasileira e Portuguesa na Universidad de Buenos Aires (UBA) e dirige o programa de mestrado em Literaturas de América Latina da Universidad Nacional de San Martín (UNSAM). Pesquisador do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET), foi professor visitante na Stanford University, na Harvard University e na Universidade de São Paulo (USP). Autor dos livros El cine de Leonardo Favio, em coautoria com David Oubiña (1993); Poesía concreta brasileña: las vanguardias en la encrucijada modernista (2003, traduzido ao português); Episodios cosmopolitas en la cultura argentina (2009); Borges va al cine, em coautoria com Emiliano Jelicié (2010); Por una ciencia del vestigio errático. ensayos sobre la antropofagia de Oswald de Andrade (2010); Otros mundos. Un ensayo sobre el nuevo cine argentino (2006, traduzido ao inglês); e Más allá del pueblo. Imágenes, indicios y políticas del cine (2015), entre outros.

Letizia Osorio Nicoli é jornalista, graduada pela Pontifícia Universidade Católica (PUCRS), mestre em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), e atualmente desenvolve sua pesquisa de doutorado pelo mesmo programa. Atuou profissionalmente como diretora de imagens, editora e montadora em televisão, vídeo e cinema. É professora do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), atuando nas disciplinas de Documentário, Edição e História do Cinema. Dedica-se aos estudos sobre cinema documentário, representações sociais e a criança no cinema.

María Álvarez é diretora e roteirista formada pela ENERC – Escuela Nacional de Experimentación y Realización Cinematográfica. Entre 2011 e 2012, dirigiu El banco, docuficção seriada para a televisão, e As cinéphilas é seu primeiro longa-metragem. Trabalhou como assistente de direção em diversos projetos na Argentina, no Chile, na Espanha e no Uruguai. Autora da peça de teatro Quémese antes de leerse, publicada na Espanha em 2017, onde venceu o importante prêmio Fray Luis de León.

Rafael Urban é cineasta e produtor. Coordena a Sto Lat Filmes. Seus trabalhos foram exibidos em 250 festivais de 27 países. Dirigiu Ovos de dinossauro na sala de estar, escolhido o melhor curta-metragem do 66º Festival de Edimburgo, na Escócia, em 2012. Produziu filmes como o longa documentário O Touro, dirigido por Larissa Figueiredo, que estreou no 44º Festival de Roterdã, na Holanda, em 2015. É professor em diversas instituições, como a EICTV, em Cuba. Coordena o Ficção Viva, série de encontros com diretores como Lucrecia Martel, Miguel Gomes e Pedro Costa.

Programação

17 de abril (terça-feira)

15h – Minha amiga do parque (2015), de Ana Katz, 84 min, Blu-ray, 14 anos.

17h A vendedora de fósforos (2017), de Alejo Moguillansky, 69 min, Blu-ray, Livre.

19h – As cinéphilas (2017), de María Álvarez, 74 min, Blu-ray, Livre + Debate com a diretora e a montadora e professora da UNESPAR Letizia Nicoli + Recepção de abertura.

18 de abril (quarta-feira)

15h – A dança das cadeiras (2002), de Ana Katz, 90 min, DVD, Livre.

17h O futuro perfeito (2016), de Nele Wohlatz, 65 min, Blu-ray, Livre.

19h – 20 anos breves (2015), de Bebe Kamin, DVD, Livre + seleção curtas-metragens Histórias breves I (1995), Vários diretores, Blu-ray, 14 anos, Total: 105 min.

19 de abril (quinta-feira)

15h – Orione (2017), de Toia Bonino, 67 min, Blu-ray, 12 anos.

17h Os Marziano (2011), de Ana Katz, 82 min, DVD, Livre.

19h A ideia de um lago (2016), de Milagros Mumenthaler, 82 min, Blu-ray, Livre.

20 de abril (sexta-feira)

15h Pizza, cerveja, baseado (1997), de Israel Adrián Caetano e Bruno Stagnaro, 80 min, Blu-ray, 16 anos.

17h – A longa noite de Francisco Sanctis (2016), de Andrea Testa e Francisco Márquez, 76 min, Blu-ray, Livre.

19h – O futuro perfeito (2016), de Nele Wohlatz, 65 min, Blu-ray, Livre + Comentários e debate com Rafael Urban.

21 de abril (sábado)

15h Os decentes (2016), de Lukas Valenta Rinner, 100 min, Blu-Ray, 16 anos.

17h – Palestra de Gonzalo Aguilar, 90 min.

19h – Zama (2017), de Lucrecia Martel, 115’, Blu-ray, 16 anos.

22 de abril (domingo)

15h A vendedora de fósforos (2017), de Alejo Moguillansky, 69 min, Blu-ray, Livre.

17h – As lindas (2016), de Melisa Liebenthal, 77 min, Blu-ray, Livre.

19h – Uma noiva errante (2007), de Ana Katz, 85 min, DVD, Livre + Debate com Ana Katz.

23 de abril (segunda-feira)

15h – Pinamar (2016), de Federico Godfrid, 84 min, Blu-ray, 12 anos.

17h – Anos-luz (2017), de Manuel Abramovich, 75 min, Blu-ray, Livre.

19h – Minha amiga do parque (2015), de Ana Katz, 84 min, Blu-ray, 14 anos + Debate com Ana Katz.

24 de abril (terça-feira)

15h – Bonanza, em vias de extinção (2001), de Ulises Rosell, 84 min, DVD, 14 anos.

17h Uma irmã (2017), de Sofía Brockenshire e Verena Kuri, 70 min, Blu-Ray, 12 anos.

19h – Os decentes (2016), de Lukas Valenta Rinner, 100 min, Blu-Ray, 16 anos.

 

 

 

Serviço
Cinema: Histórias extraordinárias: cinema argentino contemporâneo
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Centro
Data: 17 a 24 de abril (de terça a terça).
Horários: Sessões às 15h, 17h e 19h.
Ingressos: R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura. Os ingressos serão vendidos apenas para o dia de apresentação. A sessão de abertura é gratuita.
Atividade Paralela: Entrada gratuita. Retirada de ingressos a partir de meia hora antes do início das atividades. Dia 21/04, às 17h – Palestra do escritor e pesquisador Gonzalo Aguilar (90 minutos).
Capacidade: 125 lugares (dois para cadeirantes)
Bilheteria: (41) 2118 5111 (Horário especial para a Mostra: de segunda a sábado, das 12h às 19h; e domingo, das 14h às 19h).

Links e outras informações:

 Site Mostra/ Facebook Mostra / Vimeo 

E-mail[email protected]

 Site CaixaCultural / Facebook CaixaCultural