Hélio Leites, um significador de insignificâncias

“Deus dá a todos uma estrela.

Uns fazem da estrela um sol.

Outros nem conseguem vê-la.”

Helena Kolody

Um belo dia circulando pela feirinha do largo acabei atraído por uma barraca onde rapidamente fui envolvido pela arte, histórias e pela impagável figura que comanda o show todos os domingos e que atende pelo alcunha de Hélio Leites.

Conversar com o Hélio é receber em pouquíssimo tempo uma avalanche de poesia, trocadilhos, citações e performances apoiadas pelas suas incríveis miniaturas, o Hélio vai mostrando a sua arte, seu bom humor e sua disposição para interagir com as pessoas.

Sobre miniaturas me disse o Hélio uma vez: “Faço miniaturas porque é fácil de carregar. se coisas grandes fossem fáceis de carregar, faria coisas grandes”.

Naquele dia fui fotografando tudo enquanto ele foi vestindo a sua arte. Usou seu óculos para dia de macarronada (“porque a vida não é sopa”), os óculos para hipnotizador (“sem o bracinho não consegue enxergar nem um palmo diante do nariz”).

O Hélio já foi especialista em Botânica (que não deve se confundida com botânica), que é a arte dedicada aos botões, fundando inclusive a Assintão (Associação Internacional dos Colecionadores de Botão), da qual até Paulo Leminski foi associado.

Ele sempre foi e continua sendo um coletor de objetos aparentemente insignificantes, como caixas de fósforos usados, palitos e o que mais for necessário, que depois de transformados, ou melhor, transtornados, servem de base para sua arte em miniatura.

“Não quero ficar rico vendendo caixinhas de fósforos. Quero mudar o mundo com uma”

Leminski num artigo de jornal o classificou como um “Significador de Insignificâncias”, muito bom para um mundo onde a maioria tem a capacidade de Insignificar significâncias!

Washington Takeuchi

O engenheiro elétrico Takeuchi, sempre se interessou por fotografia. Foram várias câmeras e muitas histórias registradas através do olhar treinado pelas referências colecionadas ao longo da vida. Estudou na Omicron Escola de Fotografia. Mantém como projeto autoral desde 2009 o blog Circulando por Curitiba, onde diaria e ininterruptamente publica suas fotografias, tendo sempre a cidade de Curitiba como o fio condutor. Teve fotos publicadas em livros, jornais, revistas e sites. Realizou em 2015 a exposição individual Circulando pela Arquitetura Modernista de Curitiba na Carmesim Espaço de Arte e Design, que passou também pela UTFPR, Shopping Jardim das Américas, Edifício Anita e Uninter. Material que rendeu o livro de mesmo título. Com sua inseparável câmera vai nos conduzir para todo canto e nos contar histórias da cidade de um jeito muito peculiar. Ah, sorte nossa porque Washington Takeuchi assina a coluna de fotografia do nosso site, chamada "Além do Olhar".