Para que serve a meditação? A trilogia da meditação - Capítulo 2

Semana passada, no primeiro post da nossa trilogia meditativa, eu esclareci alguns mitos que podem impedir muita gente de meditar. Hoje eu quero te explicar para que serve a meditação.

Eu não estou aqui para te encher de resultados de estudos científicos sobre os benefícios da meditação, mas eles existem e são muitos. E eles vão me ajudar a te explicar por que meditar vai te fazer bem.

Eu encontrei 4449 publicações sobre meditação em um portal médico de pesquisa de artigos científicos. Nessa pesquisa, os estudos mais antigos eram de 1951. Ou seja, há muito tempo já se tenta entender o que a meditação causa no corpo humano e se ela pode ser benéfica de alguma maneira. E resumindo a história (porque você não precisa ler mais de 4000 estudos científicos), muitos pesquisadores já comprovaram os benefícios da meditação.

meditação serve para que
#paracegover A imagem mostra muitos monges budistas, sentados em posição de lótus, em fileiras bem próximas umas das outras. Todos são muito jovens, têm a cabeça raspada e estão vestidos com o traje típico laranja. Estão de olhos fechados, meditando.

Então, afinal de contas, para que serve a meditação?

Pessoas que meditam apresentam:

  • diminuição do estresse e da ansiedade
  • diminuição da insônia e melhora da qualidade do sono
  • aumento do foco e da capacidade de concentração
  • estímulo do pensamento criativo
  • diminuição da pressão arterial e da frequência cardíaca
  • relaxamento, que pode contribuir para diminuição de dores crônicas, dores de cabeça e musculares
  • controle da impulsividade, comportamentos compulsivos e abuso de substâncias

Seus problemas estão resolvidos – ou não

Os benefícios são muitos, mas uma coisa é importante: se você acredita que descobriu para que serve a meditação e vai iniciar a prática em busca de um resultado específico, já vai começar do jeito errado! As expectativas podem sabotar o resultado.

Pode acontecer, por exemplo, de alguém decidir meditar porque quer controlar a ansiedade. E essa pessoa ansiosa vai tentar “meditar do jeito certo”, se culpar por não conseguir controlar os pensamentos, acreditar que está respirando rápido demais, achar que está demorando para perceber os resultados. Ou seja, vai ficar ainda mais ansiosa! Mas se a mesma pessoa, que é ansiosa, decide meditar sem expectativas exageradas, vai perceber que a ansiedade começa a diminuir no dia-a-dia, mesmo com pouco tempo de prática.

O ideal é meditar “por meditar” e observar o que acontece. As mudanças vão ser percebidas naturalmente, tanto por você, quanto pelas pessoas com quem você convive.

Então fica susse, que no próximo capítulo eu vou te ensinar a meditar na prática! 🐌

 

Cibele Castro

Cibele Castro já foi médica e trabalhou no mundo corporativo. Hoje é Slow Life Coach: acompanha pessoas para alcançarem seus objetivos respeitando seu ritmo próprio. Cibele acredita que o ideal é incorporar o Slow Life ao seu estilo de vida antes que o excesso de velocidade se transforme em ansiedade, hipertensão, depressão e outras consequências negativas. E garante que isso pode ser feito independente da sua profissão, idade ou cidade onde mora. Cibele assina a coluna "Tô Susse" aqui no Eu Amo Curitiba, que fala sobre comportamento e rotina curitibana, ditando uma nova ordem - DESACELERE.