Relembre os cinemas de rua que fizeram história em Curitiba

Espaços foram perdendo a procura com a chegada da tecnologia

Cine São Cristóvão / Divulgação

 

Quando se fala em cinema de rua, a nostalgia de quem é apaixonado pela sétima arte é imediata. Em tempos de tecnologia, opções diversas de dimensões 3D, telas enormes e poltronas confortabilíssimas, esses espaços foram perdendo o seu lugar para as salas de cinema de shoppings, espalhados na nossa pequena república. No entanto, o Eu Amo Curitiba preparou uma listinha com 10 cinemas de rua que fizeram história na Cidade Sorriso. Pegue o seu saquinho de pipocas, um refrigerante delícia e vamos relembrar?

Cine Bristol

O estabelecimento, que ficava na Rua Mateus Leme, já foi o Theatro Hauer e depois o Cine Marabá, em 1947, para só então se tornar o Cine Bristol, em 1976. Quando este foi inaugurado, estreou com “A Volta da Pantera Cor-de-Rosa”, estrelado pelo comediante Peter Sellers, que havia sido lançado no ano anterior. Funcionou até 1995, quando foi transformado para receber o Bristol Golden Bingo, que fechou e virou uma igreja evangélica.

Cine São Cristóvão

O cinema foi construído pela necessidade de cultura e lazer no bairro do Guaíra. Em 1962, funcionava em um barracão; no ano seguinte, passou a funcionar na Rua Santa Catarina. A sala sempre realizava sessões gratuitas em datas comemorativas e era emprestada às escolas para apresentações teatrais, formaturas e outros eventos. O local encerrou suas atividades em 1985.

Cine Luz

Cine Luz / Divulgação

O Cine Luz, inaugurado em 16 de dezembro de 1939, foi o segundo cinema de Curitiba instalado em um prédio especialmente construído para funcionar como sala de projeção. Sua abertura foi marcada pelo filme “Meia-noite”, de 1939, com Don Ameche e Claudette Colbert. Localizado na Praça Zacarias, o Cine Luz era sempre inundado quando chovia e acabou destruído, em violento incêndio, na tarde de 26 de abril de 1961, quando exibia “O Homem do Sputnik” (1960), de Carlos Manga, com Oscarito, Grande Otelo e Norma Benguell. Em 1985, foi inaugurado o segundo Cine Luz, pertencente à Fundação Cultural de Curitiba e situado na Rua XV de Novembro, Praça Santos Andrade. Vinte e quatro anos depois, em 2009, foi exibida a última sessão.

Cine Morgenau

A antiga Sociedade Morgenau, que realizava bailes para a comunidade, também realizava sessões de cinema quando não havia festa. Assim nasceu um dos primeiros cinemas de Curitiba. Ficava na região do Cristo Rei; posteriormente foi vendido e construído na Rua Schiller, no Capanema. Em 1983, o Cine Morgenau mudou-se para o Centro Comercial Rui Barbosa e, nessa época, exibiu o filme “Garganta Profunda”, que teve 12 semanas de sessões superlotadas. A partir de então, passou a investir apenas em filmes pornô.

Cine Mignon

Criado na década de 1910, o espaço ficava na Rua XV de Novembro e é lembrado como o cinema de rua mais importante da cidade. Apesar de, na época, já existirem outras salas de projeção de filmes, o Mignon estava à frente por possuir sala de espera, botequim e café.

Cinelândia Curitibana

A partir dos anos 20, foram construídos diversos cinemas de rua na Rua XV de Novembro e Avenida Luiz Xavier, atualmente conhecida como Rua das Flores, entre o Palácio Avenida e o Edifício Garcez, perto da Praça General Osório. Alguns dos estabelecimentos eram:

Cine Ópera

Cine Ópera / Divulgação

Ficava no Edifício Eloísa, de 6 andares, na Avenida Luiz Xavier. Inicialmente foi projetado para ser apenas residencial, mas o térreo foi dividido para a entrada do Cine Ópera e também para a confeitaria da Sra. Elsa, famosa por seus doces. Foi inaugurado em julho de 1941, com “All This And Heaven Too” (Tudo Isso e o Céu também) e durante quase 30 anos foi a sala mais movimentada da cidade, sediando concertos, recitais e eventos como o I Festival do Cinema de Curitiba. O Cine Ópera foi fechado em 9 de janeiro de 1979, com a reprise de “Dio, come ti amo!”.

Cine Palácio

O Cine Palácio funcionava no Edifício Moreira Garcez. O Cine Astor ocupou, nos anos 70, o seu lugar, mas ao contrário do Cine Palácio, tinha a entrada voltada para a Rua Voluntários da Pátria. Construído a partir de 1926, o prédio foi o primeiro arranha-céu de Curitiba, com oito andares sobre o térreo, considerado gigantesco para a época.

Cine Odeon

Ficava em frente ao Cine Avenida e ao lado do Cine Ópera, completando os cinemas da Cinelândia Curitibana. Inicialmente chamado de Cine Glória, foi construído por Vespasiano Carneiro de Mello (1865-1962) e funcionou até o início dos anos 50.

Cine Avenida

Foi criado em 1929, onde atualmente é a sede do banco HSBC. Foi o primeiro prédio de Curitiba construído especialmente para a projeção de filmes e era especializado em Westerns.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leandro Bertholini

Leandro Bertholini é jornalista, ator, dramaturgo e roteirista com ampla experiência na área de produção cultural. É formado em jornalismo pelas Faculdade Integradas Hélio Alonso (RJ) e pós-graduado em Jornalismo de Políticas Públicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É fundador e produtor da Companhia de Teatro Autoral do Rio de Janeiro, grupo teatral que já percorreu mais de 30 cidades em 10 estados brasileiros. É autor do premiado espetáculo “As Mulheres da Rua 23”, vencedor de diversas categorias nos principais festivais de teatro do país. Pela dramaturgia e atuação no espetáculo recebeu 27 prêmios e mais de 30 indicações em festivais nacionais. Foi professor de interpretação no Teatro Miguel Falabella (RJ) e oficineiro em diversos eventos e festivais de teatro. Leandro Bertholini formou-se na escola de Teatro O Tablado e atualmente integra a Cia do Abração de Curitiba/PR, onde também ministra aulas de interpretação e criação teatral.
Aqui no Eu Amo Curitiba, Leandro Bertoholini escreve para diversas colunas e nos atualiza sobre o que está acontecendo no campo das artes, o que tá rolando na cidade, o comportamento curitibano e o melhor do entretenimento, lazer e gastronomia.